sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Dia 16 - Santiago do Chile - Mendoza - 363Km - 22/09/2013

Hoje o dia começou cheio de emoção. Acordamos, arrumamos as motos e fomos tomar café. Enquanto tomávamos café a televisão do Hotel estava ligada em um canal de noticias chileno. Em determinado momento começou a passar uma reportagem sobre o Paso Los Libertadores. Passagem que pagaríamos para atravessar do Chile para a Argentina, e que liga as cidades de Santiago a Mendoza. A reportagem dizia que o Paso estava fechado desde quinta-feira, por causa da neve e que não havia previsão para reabertura do Paso, hoje já é domingo.
Comecei a ficar preocupado com o cumprimento do roteiro e os dias que ainda tínhamos de viagem e agora, esperamos em Santiago, tentamos outro Paso, voltamos por onde viemos? Decidi ficar um pouco mais no Hotel e acompanhar as noticias. Das ultimas vezes que acompanhei noticias sobre este Paso, no máximo ficou fechado 5 dias, se for pelo histórico, na pior das hipóteses ficaríamos mais 1 ou 2 dias em Santiago. Este passo fecha muito devido a mau tempo, neve que cai nesta região. A internet no Hotel logo neste momento caiu. Consegui me conectar em um computador do próprio hotel e continuei acompanhando as noticias.
Para nossa sorte, o Paso foi reaberto e próximo do meio dia deixamos a cidade de Santiago, com os tanques cheios. De qualquer forma neste trecho da viagem existem alguns postos do lado Chileno e também depois já no lado argentino.
Saindo de Santiago pegamos a rota 57 sentido Los andes. Em Calle Larga, uma cidadezinha antes de Los Andes, o GPS acabou nos levando por dentro das 2 cidades. Valeu para conhecer os 2 vilarejos, a rua é paralela a estrada e não perdemos muito tempo. Depois de Los Andes caímos na rota 60 que é a estrada que leva até o Paso Los Libertadores, travessia para a Argentina. Do lado argentino, depois do tunel Cristo Redentor esta rota se torna a rota 7.
Este trecho apesar de mais curto e com uma menor altitude do que o Paso de Jama, tem muito mais neve e montanhas congeladas e tambémpor causa da neve é bem frio. Começamos a subir e logo passamos pelo tao cfalado e conhecido Caracoles. Uma sequencia de curvas em zigue-zague, mas que dá para ser feita de forma muito tranquila, o asfalto é bom, pista larga e sem óleo e neve. A vista lá de cima é bonita, olhando para baixo da para ver todas as curvas, alguns picos ao redor e um lago bem la embaixo,  onde as curvas começam. Sinceramente achei este trecho bem mais simples e menos perigoso dos que vários motociclistas e blogs comentam. Talvez tenha criado muita expectativa ou medo. Na minha opinião, a subida para Valle Nevado é mais bonita e emocionante.  Tiramos algumas fotos e seguimos viagem.
Enquanto em Paso Jama chegamos a 4900m de altutide, aqui não passamos de 3500m. A passagem pela Aduana/Imigracao é bem confusa. Antes de tudo passamos por um ponto com 2 placas grandes dizendo que estamos saindo do território chileno, tem uma infraestrutura parecida com uma aduana/imigracao, mas passamos direto, talvez seja utilizada para caminhões ou outros fins. Depois desta estrutura, passamos por uma cancela alguns quilômetros a frente na qual nos deram um papel para ser entregue em um outro ponto da estrada, quase que um papel de pao com um carimbo. Mais alguns quilômetros a frente e alguns tuneis, chegamos até a aduana/imigracao. Nesta estrada existem vários tuneis para garantir que a pista não feche com mais frequência e também para não deixar que a neved cubra a pista. A aduana é um barracão bem grande e os 2 paises trabalham de forma integrada, é possível fazer a saída do chile e a entrada na Argentina de uma única vez, com fizemos em Paso de Jama. Levamos aproximadamente 2 horas para fazer todo o processo de entrada e saída, talvez devido ao fechamento por 3 dias do paso ou mesmo devido ao feriado nacional no Chile, pegamos uma boa fila de carros e ônibus de turismo.
A estrada estava bem movimentada em alguns trechos. Muitos caminhões parados no acostamento e em alguns trechos um pouco de congestionamento devido a velocidade reduzida dos caminhões que trafegavam.
Assim que saímos da aduana, começamos a descer e neste trecho é possível avistar o Aconcagua bem de perto, ele nos acompanhou por um bom tempo no caminho e tiramos algumas fotos com ele ao fundo. Alguns quilômetros abaixo, em uma cancela, pediram aquele documento com carimbo, parecido com um papel de pao.
Seguimos descendo, a neve começou a diminuir e começamos a dirigir por um vale com um rio quase seco no meio, varias curvas e um penhasco ao lado, nada perigoso, um visual fantástico e alguns tuneis na beirada da estrada encravado nas pedras/montanha. Lembra algumas imagens que vi de estradas pela Europa.
Foi assim até próximo a Mendoza. Neste momento, a estrada fica mais plana e é possível avistar um enorme lago do lado esquerdo da pista, com as montanhas com neve ao fundo. Umas das paisagens mais bonitas da viagem. Novamente paramos, tiramos algumas fotos e seguimos rumo a Mendoza. A chegada em Mendoza é por uma estrada, avenida bem larga. A cidade é muito bonita, com uma grande praça no centro e com mais 4 praças ao redor desta, como se forma-se o numero 5 de um dado. Ficamos no Hotel Princess bem no centro, excelente localização. O Hotel é meio antigo mas tem uma boa garagem, apesar de escura. O quarto é antigo, como o banheiro, mas dá para se passar 2 ou 3 dias. Hoteis sofisticados não são o foco da viagem. Por fim serve um bom café da manha e possui wi-fi. Recomendo o Hotel pela localização.
Chegamos ao hotel por volta das 19:00, apesar de ter rodado apenas 380km no dia, saímos tarde de Santiago, rodamos apenas durante o período da tarde. Neste trecho passamos por vários postos policiais mas em nenhum fomos parados. Deixamos as coisas no quarto, tomamos um banho e saímos para jantar.

Fomos até av. Sarmiento, que fica ao lado do hotel e é o ponto das mais tradicionais parrillas da cidade. Jantamos no restaurante Casa Bianchi, pedi um bife de chorizo e tomamos um vinho Malbec. Acho que hoje comi melhor bife de Chorizo da minha vida.

5 comentários:

  1. Erick, os caracoles estão em obras? Meia pista? Show de viagem, abs

    ResponderExcluir
  2. Nao, estao em perfeito estado, muito tranquilo para subir ou descer. Abs,

    ResponderExcluir
  3. PQP!!!.... se eu pudesse ia agora mesmo fazer essa viagem......kkkkk o relatos estão demais.... parabéns

    ResponderExcluir
  4. Boa Noite, Parabéns pelo Blog, ficou muito bom, em Março eu e um amigo estaremos indo a Termas del Rio Hondo de Moto ( Uma GS e Vstrom) para ver o Moto GP, depois seguiremos em direção a Mendoza e retornamos para casa. Encontrei aqui muitas informação que nos serão uteis, pois vocês passaram pela maioria do caminho que iremos trilhar. Parabéns e Obrigado.
    Jerri Joaquim jerriej@terra.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jerrie,

      Obrigado! Se desse iria com voces..rss Precisando me mais dicas entre em contato e boa viagem!

      Excluir