sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Dia 11 - San Pedro de Atacama – TalTal - 570Km - 17/09/2013

Nos últimos 2 dias no Atacama, por incrível que pareça pegamos frio no deserto. Acordamos as 6:30 da manha e confesso que deu preguiça de partir, começar tudo de novo. Estava uns 10 graus quando saímos as 8:30 da manha. Nesta época do ano durante o dia a temperatura pode chegar a 40 graus e durante a noite -10 graus. Passamos no único postos da cidade para abastecer e depois seguimos para Calama, rumo ao Pacifico.


Saindo de San Pedro pegamos a ruta 23 que passa pelo Valle de la Luna e pela Cordilheira del Sal. Após a cordilheira, a estrada vira um retão com poucas curvas e pista boa até Calama. Em Calama, decidimos esticar um pouco mais e passar na Mina Chuquicamata, maior mina de cobre do mundo. Como não conhecia nenhuma mina até hoje seria uma boa oportunidade para conhecer e tirar umas fotos. A mina e a cidadezinha de Chuquicamata, fica a +-15 minutos de Calama. Tiramos algumas fotos, conhecemos os arredores da mina, não pudemos entrar pois ainda eram umas 10:30 da manha e a mesma só abre para visitcoes as 13:30. Tudo bem, o objetivo de hoje é chegar em Taltal.




Saindo de Calama, pegamos a ruta 25 outro estradao, pista boa e depois de um tempo vira pista dupla até Antofagasta. A mesma paisagem, deserto dos 2 lados da pista, alguns montes de pedra e areia em volta e um retao sem fim com algumas curvas apenas.
Cuidado nesta estrada e em todas as outras estradas no Chile. Qualquer sinal de PARE, é para parar mesmo. Todo mundo respeita e os Carabineiros, policia local, leva muito a serio as sinalizações das estradas. A mesma coisa acontece com a velocidade. Onde for 100 ande a 100, onde for 120km/h ande até esta velocidade. Quando faltava uns 50km para chegarmos a Antofasgasta fomos parados pelos carabineiros. Apenas curiosidade, olharam as motos, perguntaram de onde vinhamos, avisaram da velocidade e nos liberaram.
Antes de chegarmos em Antofagasta passamos pelo Tropico de Capricornio. Até este ponto estávamos a uns 2000 metros de altitude. Baixamos apenas 500m de altitude desde a saída de San Pedro. A entrada da cidade de Antofagasta é atraves de uma estrada, uma descida, entre as montanhas de areia, até que você chega a uma rua com a vista do oceano Pacifico ao final dela. Seguimos até a avenida da praia e paramos para almocar um Congrio no restaurante Puerto Caliche, excelente lugar, comida e atendimento.










Abastecemos as motos antes de seguir viagens e seguimos rumo a Taltal agora pela ruta 5 ou Panamericana. Novamente bom afalto, retao e deserto ao nosso lado o tempo todo. Se estivesse mais quente diria que é exatamente como a região do chaco na Argentina, o que muda apenas a paisagem de campos verdes para areiao, dunas e pedras, mas felizmente hoje a temperatura estava mais agradável, na faixa dos 20 a 25 graus. Neste trecho passamos pelo monumento La Mano Del Desierto, famoso por todos os motociclistas que passam por aqui e que fazem esta viagem pelo Chile e Atacama. Aproveitamos para marcar nossa passagem por aqui tambem.











Uma coisa interessante mas que agora começou a me incomodar um pouco é a quantidade de cruzes e monumentos como túmulos que encontramos a beira da estrada tanto na argentina quanto no Chile. Os 2 paises me parecem muito religiosos mas algumas vezes isso me parece um pouco chocante.

Outra coisa que muito forte e que notei por aqui eh o sentimento patriota chileno. Na maioria das casas, nos carros e até mesmo nestas cruzes que encontramos na estrada existe sempre uma bandeira chilena.


A cidade de Taltal fica na costa do Chile saindo da Ruta 5 a direita. Assim que saímos da ruta 5 pegamos uma bela estradinha, com bom asfalto entre algumas montanha e quando as montanhas e curvas acabam, chegamos a Tatal. A cidade é pequena, mas bem arrumadinha. Tem uma praça, uma avenida central onde fica o comercio e uma avenida da praia com uma vista muito bonita de algumas montanhas, dos barcos de pesca e com o por do sol forma uma paisagem magnifica. Tiramos algumas fotos, abastecemos novamente as motos, para sairmos mais cedo amanha e seguimos para o Hotel Mi Tampi.


O Hotel é muito arrumadinho, um quarto bonito e bem montado, um banheiro com chuveiro com ducha para massagem e até um Ofuro no fundo do Hotel.

O Glauco estava animado para jantar hoje e fomos até o restaurante El Rincon de Corwatt. O restaurante fica a beira mar, bem aconchegante. Tomamos um vinho Cabernet da vinícola Undurraga, que fica próxima a Santiago e comemos um Ceviche Pescado de entreda e um Loco a Tailandesa. Loco é um marisco muito apreciado aqui no Chile.

Nenhum comentário:

Postar um comentário